quinta-feira, março 15, 2007

Me faltam tempo e palavras


É o que tem acontecido ultimamente. Tenho passado os dias argumentando comigo mesma, assistindo cenas que me colocam em estado de choque, participado em situações não tão agradáveis etc. Não tenho tido, entretanto, nem tempo ou palavras para registrar meus pensamentos.


Contudo, sei que há pessoas que se divertem com meus escritos, que buscam aqui um refúgio quando não sabem o que fazer porque o dia está chato ou porque os problemas são tantos que não sabem por onde nem como começar a resolvê-los. Para essas pessoas, eu fiz um esforço hoje e reapareci no blog.

Infelizmente, essa não é minha melhor semana. Estou cansada e não é só fisicamente. Comecei a semana bem, com muitos pensamentos eróticos e futurísticos, que por devidas razões, ainda não se concretizaram. Depois, comecei a colocar os pés no chão e senti pedras, que tenho chutado entre um dia e outro, na esperança de que logo eu consiga força suficiente para chutá-las para bem longe.

Me senti desamparada emocionalmente, com falta de tudo o que se possa imaginar. Foram horas e horas pensando, que por fim me trouxeram a conclusão de que é apenas mais uma crise de estresse. Fazer mil e uma coisas, me dividir entre profissional, aluna, dona-de-casa, namorada e “chefe-da-casa” têm sido meu grande desafio.


Falta ainda o tempo para ser a pessoa que sou longe de todos esses “afazeres” e também falta tempo e ânimo para cuidar da minha saúde praticando algum esporte e me alimentando melhor. Do fim do ano até agora perdi 4kg e não estou em nenhuma dieta. Na verdade, uma pessoa que pesava 52 kg não deveria nunca fazer dieta... Estou mais magra e isso me incomoda.

Estou sempre com sono, porque neste momento da minha vida dormir 6 horas por noite é considerado um luxo.

O salário que recebo nunca é suficiente para pagar as contas todas.

Não agüento mais comer minha própria comida, que parece ter sempre o mesmo têmpero e que demanda certo tempo (do qual eu não disponho) em frente ao fogão.

O ambiente de trabalho muitas vezes tem um ar pesado porque todos fazem muitas coisas e acabam não tendo por onde eliminar a tensão.

Tenho esquecido de alimentar meu peixinho, que é um dos poucos sinais de vida dentro daquele apartamento que está sempre vazio e isso me faz sentir muitíssimo culpada, pois ele depende de mim para sobreviver.

Uma das minhas violetas está morrendo e nem sequer sei porquê.

Perdi minha companhia diária que me garantia um sono tranqüilo e ter alguém para abraçar também virou um luxo.

Acho que faço coisas demais e vejo que todos reclamam da mesma coisa, sem contar que ainda reclamam não ter seu esforço reconhecido pelos outros. Também me sinto assim, mas concluí que se o esforço não é reconhecido é porque não se está fazendo o suficiente para tanto.

Aí vem meu próximo dilema: quando e como farei ainda mais se já estou tão cansada?


Tudo o que eu queria era um pouco de colo, alguém que passasse a mão na minha cabeça e me deixasse descansar um pouco. Queria não precisar ser gente grande por um pouquinho só e não ter que fazer tudo sozinha. Queria não precisar tomar conta da casa e planejar tudo, me responsabilizar pelas compras e organização delas, pelas tarefas de todo dia, pela limpeza da casa e pelo trabalho.


Na verdade, só queria uma pausa e uma cama para dormir.

Um comentário:

Aninha Daros disse...

Oi lindinha! Sinto muito por sua vida estar tao atribulada assim! Bom, acho que este e simplesmente mais um momento de estresse pelo qual vc esta passando pois se vc parar para pensar sua vida foi sempre assim, uma correria! Bom, vc deve se orgulhar do quanto vc batalha, produz e do quanto vc e capaz. Sei que nao e facil, mas tenho certeza de que vc e forte e da conta de tudo isso e muito mais! Saiba que eu e todos que te amamos temos um super orgulho de vc! Beijocas, amada!